quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Mulheres, pronunciem-se.



Este é o creme hidratante que uso diariamente. Está a chegar ao fim e ainda ontem vi que tinha de me apressar para comprar outro, antes que o que tenho cá em casa acabe de vez. 
Mas eis que surgiu um estudo espanhol que diz que o creme hidratante da marca Cien, vendido no Lidl, foi considerado o creme mais eficaz no que diz respeito a hidratação da pele. Custa 2,99€ e ao que parece, dizem que é mesmo bom e que prova que nem sempre o mais caro é o melhor. 
Confesso que nunca comprei nada da marca Cien, apesar de já ter ouvido opiniões favoráveis. 
Por isso, digam de vossa justiça: já experimentaram alguma coisa desta marca? Convence? 


terça-feira, 27 de setembro de 2016

Update

Voltamos à estaca zero no que a animais domésticos diz respeito.
Fomos ontem a uma consulta de rotina com a pediatra. Perguntei-lhe o que achava de comprar uma tartaruga para a Pimentinha. Não aconselhou, tal como já tinha visto na Internet, porque as tartarugas podem ser portadoras de salmonelas.
Portanto, esquece lá a tartaruga. Mas não tendo estofo para albergar cão ou gato cá em casa, o melhor mesmo é ficarmo-nos pelos peixes que já habitam aqui. 

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Que animal de estimação se deve comprar para uma criança de dois anos?

A minha filha gosta muito de animais. Sempre que vamos ao shopping, vamos à loja dos animais e ela perde-se lá a ver os cães, os peixes, os hamsters e até para uma cobra já ela ficou fascinada a olhar (inocência das crianças...).
Assim, sendo, estamos a pensar comprar um animal de estimação para ela. Mas qual?
O animal que mais gosta é o cão. Não há muitas dúvidas disso, mas não me estou a imaginar a viver num apartamento, mesmo com um grande terraço, e a ter um cão. 
Por vários motivos: passamos muito tempo fora de casa por dia, não sou muito fã de ter cães ou gatos dentro de casa, e mesmo que fosse para o terraço, não me estou a ver a deixá-lo lá sozinho durante o inverno, com chuva, vento e trovoada. 
Posto isto, as opções reduzem-se. Hamsters, o pai não é a favor. Peixes já temos cá em casa e ela até lhes diz olá por vezes, mas não lhes acha grande piada. 
Eu estou muito inclinada para uma tartaruga. Já lhe perguntamos se ela gostaria de ter uma, ao que nos respondeu com um grande "simmm", mas creio que iria fazer isso mesmo se lhe perguntasse se queria um porco ou uma galinha cá em casa. No entanto, já li que não eram animais muito aconselhados a quem tem crianças com menos de 5 anos. Por isso, andamos por aqui muito indecisos. 


Por aí, há sugestões no que a animais de estimação diz respeito? 

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Metade dos pais portugueses devem estar à espera deste dia

A minha filha é louca pela Patrulha Pata. 
Esqueçam a Doutora Brinquedos, a Heidi (já passou a onda), a princesa Sofia. O que ela gosta mesmo de ver é a Patrulha Pata. Sabe o nome de todos os cães e às vezes dou com ela na cama a olhar para o teto e a dizer o nome dos ditos animais. 
E, nós, como pais, acabamos por ir na onda. Já vi dez mil vezes cada episódio. Já quase que sei as falas das personagens. Mas hoje (finalmente!!!) estreiam novos episódios e com uma nova personagem. Assim, pelo menos, há histórias novas para nós, pais, não enjoarmos tanto. É que às vezes pergunto-me eu como é que ela consegue ver os episódios vezes sem conta, sem deixar de gostar daquilo. 




quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Porque hoje arrancou o ano letivo por aqui.


Por estes lados, hoje iniciou-se a sério o novo ano letivo. E eu, trabalhando num centro de estudo, posso dizer que voltaram os meus dias de ficar com o cabelo em pé.
Estou numa fase em que me encontro totalmente descrente face ao ensino em Portugal. Quero muito acreditar que há bons profissionais nesta área, há boas escolas mas a verdade é que só me chegam às mãos casos complicados. Casos que me fazem pensar como é possível o ensino estar assim. 
Tenho alunos no 3º ano que mal sabem ler. Escrever nem se fala. 
Tenho alunos no 3º ano que não conseguem dizer os números até 20 de forma sequencial. Que não sabem que o 1 e o 5 juntos representa quinze. Que contam pelos dedos para saberem quanto é 7+9.
Tenho alunos que chegam ao 4º ano sem saberem fazer contas e que para ler, quase que juntam sílaba a sílaba. 
Tenho alunos que chegam ao 5º ano com dislexia evidente e a professora da escola primária nunca alertou os pais para tal. 
Tenho alunos que têm pais piores que eles. 
E isto são alunos do ensino público e do ensino privado. Nesta zona, nenhum é melhor que o outro.

Bem sei que há alunos de topo. 
Há alunos aplicados e responsáveis (hoje os alunos chegam ao ensino básico sem saber o que a palavra responsabilidade significa). 
Mas estes casos não me chegam. Só me chegam alunos que precisam de mim ao lado deles a tempo inteiro. Totalmente dependentes. O problema é que tenho uma sala cheia de alunos para gerir e uma patroa que só vê cifrões à frente. O problema é que há dias em que tenho a sensação que não chego a todos. 
Mas o que digo a mim mesma todos os dias é isto: faço o melhor que sei. Super mulheres não existem. 


sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Post de/para gajas

Fiz verniz gel durante uns tempos mas depois deixei porque as minhas unhas já não estavam a aguentar. A técnica dizia que para o meu tipo de unha, o melhor mesmo era unhas de gel e não verniz gel.
Eu lá acenava com a cabeça mas decidi dar um descanso às unhas.
Entretanto passou-se um ano. 
A verdade é que olhava para as minhas unhas e era uma sensação tão triste vê-las feias, baças, basicamente uma lástima. As minhas unhas andavam pela rua da amargura. Chegou Agosto e a vontade de olhar para as mãos e ver algo decente apoderou-se de mim. Tentei num cabeleireiro fazer unhas de gel (e não verniz gel) mas a rapariga não dominava a técnica e passado dois dias tinha metade das unhas num estado caótico. 
Posto isto, marquei com outra rapariga e ao que parece, acertei. Ela tem-me posto as unhas num espanto. 
E não há nada como uma senhora de unhas bem arranjadas. Isso e andar de salto alto, são coisas que nos fazem sentir logo diferentes. Faz-nos sentir mais mulheres. E já que no meu caso não domino a arte de andar bem em cima de sapatos de tacão, ao menos que tenha unhas de mulher, belas e resplandecentes.