quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Recomendações sobre a Madeira. Quem ajuda?

Por esta hora, esperemos já estar no Funchal, na Madeira. No início da semana, ouvi notícias referentes a cancelamentos de voos para a Madeira por causa dos ventos fortes. A ver vamos, se o vento acalma e nos deixa chegar em paz a esta ilha. A viagem foi marcada em Março. Na altura imaginei que iria encontrar paisagens verdejantes na Madeira e agora sei que os incêndios destruíram muita da beleza natural da ilha. Mas quero acreditar que a essência da Madeira permanece lá.

Precisamos é de dicas. Quem já lá esteve, o que mais gostou? Que sítios acharam mais encantadores?  


quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Parar para respirar e para viver.

Estou de férias há três dias. Sabia que precisava de descansar o corpo e a mente mas agora é que percebo mesmo que estava urgentemente a precisar de parar. Há quem diga que tirar férias é muito chato (sim, há quem diga mesmo isto!) mas eu cá acho que as férias são dos bens mais preciosos que se pode ter, sobretudo quando por ano só se consegue 15 dias úteis para não pensar em trabalho e para usufruir de coisas que durante o resto do ano não podemos ter.





Para já temos estado na Praia de Mira, em Coimbra. Para a semana iremos para o Funchal. Vamos à Madeira, que todos dizem ser uma ilha encantada. Ontem, ao ver o telejornal e as imagens dos incêndios, fiquei de coração apertado. Para a semana lá estaremos com a esperança que tudo esteja mais calmo e com a certeza que há coisas na vida que fogem completamente ao nosso controlo. Nem consigo imaginar a dor que é para aqueles habitantes ver a sua ilha naquele estado.

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Balança, minha querida balança. Agora gosto mais de ti.

Em maio, fui pela primeira vez à nutricionista, como vos falei aqui no blogue. 
Desde então já se passaram cerca de 2 meses e meio. E 5 quilos já voaram. 
Se é muito ou pouco? Não sei. Mas a mim, esta perda de peso deixa-me orgulhosa. 
A minha nutricionista diz que estou no bom caminho. Algo que sempre disse a mim mesma é que entrar em dietas loucas não seria opção. 
Tenho tempo e voltar aos meus 58 kg (peso que tinha antes de engravidar) é algo que quero atingir gradualmente. Faltam 2 kg para lá chegar. E acima de tudo, estou feliz comigo mesma: cedo algumas vezes a tentações, deixo-me levar pela gula mas no geral, posso dizer que hoje sou uma pessoa que come menos em termos de quantidade mas muito mais em termos de qualidade. 
E pensar que me inscrevi há uns tempos no ginásio achando que isso seria a solução... Estava no caminho errado. Hoje percebo claramente que tudo começa pela boca. Educar o nosso corpo a saber comer é o ponto de partida. O ginásio é uma complementaridade. 

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Em contagem decrescente.

Faltam 5 dias para entrar de férias. 
Confesso que esta reta final é muito penosa. Os miúdos já andam cansados, eles próprios também querem férias e fazer mais do mesmo é difícil. 
Hoje acordei e respirei fundo. Esta semana não vai ser fácil, vou estar sozinha no trabalho com poucos miúdos, o que por vezes é pior, pois é ainda mais difícil entretê-los quando são poucos, mas pessimismo à parte, tenho de me concentrar no facto de serem apenas mais 5 dias. 
5 dias. 5 dias. 5 dias. 5 dias. 5 dias. 5 dias. 5 dias. 5 dias. 5 dias. 5 dias. 5 dias. 5 dias. (mentaliza-te disto Pimenta)

quinta-feira, 28 de julho de 2016

Os bons exemplos.

O Nuno Markl e a Ana Galvão, como sabem, separaram-se aqui há uns tempos. Ele fez anos a semana passada e houve festa surpresa. Uma das pessoas a quem ele fez questão de agradecer num post no seu facebook foi precisamente à sua ex-mulher e segundo ele "a minha melhor amiga e uma das melhores mulheres do planeta".
E isto é de se louvar. Casais que se separam e que ficam na mesma unidos, até porque no caso deles há um filho em comum.
Se há coisa que me choca é ver casais separados que verbalmente agridem-se constantemente e os filhos andam ali de um lado para o outro, como se fossem armas de arremesso. No meu local de trabalho, há miúdos que são filhos de pais separados e nota-se bem o quanto ficam afetados quando pai e mãe não se entendem.

Penso sempre para mim que se duas pessoas se casaram ou estiveram a viver juntas, é porque amavam-se. Num determinado momento da vida dessas pessoas, amaram-se. E se agora isso não acontece, porque razão destilar tanto ódio e repugnância por alguém que um dia foi tudo para essa pessoa?