segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Zippy, vê se me ouves e patrocinas a minha miúda, o que achas?

Este fim de semana aproveitei que a Zippy estava com 20% de desconto em talão e fui fazer umas compras para a miúda. Vem aí o tempo mais frio e pouca roupa consigo aproveitar do ano passado. Só de pensar nisso, já ouço a minha carteira a chorar baba e ranho.
E é nestas alturas que tenho muita, muita, muita pena de não ser uma blogger famosa a quem a Zippy me pediria publicidade em troca de umas peças de roupa para a minha Pimentinha. Ainda há pouco fui espreitar um blog que toda a gente lê e lá estava o filhote da dita dona do blogue cheio de estilo com roupa da Zippy. 

Dava-me um grande jeitaço às vezes ser famosa e ter coisas à borla. 
Oh, se dava!

domingo, 10 de setembro de 2017

Ai Setembro, trouxeste-me tanto drama cá em casa.

Esta semana foi eterna. Nunca mais chegava o sábado!
E sem dúvida, que o início da Pimentinha no pré-escolar dominou os dias. 
Posso dizer que o primeiro dia foi o melhor. Ela foi toda contente. Mas depois disso, todas as manhãs era automático: "Não quero ir para a escola". 
Mas lá tinha ela de ir. E felizmente que conseguimos que o pai a levasse sempre, porque se fosse comigo, a fita seria bem maior e a choradeira ia ser bem pior. 
Quinta foi talvez a pior manhã. O choro foi tanto que vomitou o pequeno almoço, cá em casa. E limpar vomitado logo pela manhã é o sonho de qualquer mãe. Cheguei atrasada ao trabalho e com o coração apertadinho. 

Mas houve coisas boas, no meio disto tudo. 

  • O facto de ser amiga de uma das auxiliares da sala dela ia-me permitindo saber como é que ela estava. E as mensagens vinham acompanhadas de fotos dela. O meu coração ia sossegando.
  • A minha filha tem muita dificuldade a comer carne. Pelo que percebi, foi comendo uns pedacinhos, o que no caso dela, já é uma vitória. 
  • A minha filha nasceu na noite de S. João e eu costumo dizer que chega a noite e ela quer festa. Sempre foi miúda de se deitar quase às 23horas e adormecer bem depois disso. Esta semana atingimos mínimos históricos. Ela dorme 1h, 1h30 no infantário e chegava à noite cansada. Houve um dia que às 21h já estava a dormir. 
Na sexta feira à noite, chegou a casa animadíssima. "Amanhã a escola está fechada"
Hoje já está numa de "amanhã não vou para a escola." 
Vamos ter circo outra vez amanhã de manhã. Só espero que esta fase passe rápido. 


segunda-feira, 4 de setembro de 2017

É hoje que começa um novo ciclo cá em casa.

Hoje é o primeiro dia da minha filha no infantário. 
Vai ser o pai a deixá-la lá. Hoje e nos dias seguintes, porque eu conheço-me. Sei que não vou conseguir deixa-la lá de forma tranquila, como o fará o pai. 

___________________________


Hoje lembrei-me do primeiro dia em que a deixei na avó quando voltei ao trabalho, após dois meses e meio do nascimento dela. Chorei até ao trabalho. Tive de me conter para não entrar lá com a minha espetacular cara de choro. 
Mas, apesar de tudo, eu sabia que ela estava na avó. 
Hoje não. 
Hoje ela vai conhecer as educadoras, pessoas de quem eu tenho referências mas não as conheço bem. Hoje é dia de tentar não pensar muito nisto, é dia de pensar nos meus miúdos do trabalho: hoje curiosamente também é o primeiro dia de muitos deles no meu local de trabalho. 
Hoje é um novo ciclo que começa. 

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Os fritos.

Cá em casa passam-se meses sem que faça batatas fritas. Regra geral, muito raramente fazemos fritos por aqui. Muito de longe a longe faz-se panados (adoro panados!), os douradinhos optamos por os confecionar no forno e quando o rei faz anos, há por vezes rissóis.

Os fritos não fazem bem à saúde, como todos sabemos, e meus senhores, só de pensar no cheiro que fica na cozinha dos fritos perco logo a vontade de os fazer. Faz-me confusão aquelas casas em que se come fritos quase dia sim, dia não. O cheiro impregna-se na roupa. Não há perfume que abafe o cheiro dos fritos. Por aqui, come-se fritos quando às vezes a mãe ou a sogra fazem lá em casa delas, mas a meu pedido é raro. Em todo o caso, nesses dias, a roupa vai direitinha para o cesto de lavar. 
Cheiro a fritos e cheiro a tabaco é coisa para me dar náuseas. 

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Daqui por uma semana, como vai estar o meu coração?

Daqui por uma semana, a Pimentinha começa a frequentar o pré-escolar. Vai deixar a casa da avó a tempo inteiro, indo só para lá ao final do dia (ao final da tarde, a carrinha da instituição vai levá-la à avó uma vez que nem eu, nem o pai, temos horário compatível para a ir buscar até à hora de fecho do infantário). 

Novas regras, novos horários, novas rotinas, novos colegas, nova comida, novos sabores, novos espaços. 

Dá-me um nervoso miudinho só de pensar. Mas não o posso deixar transparecer. Como alguém no outro dia me disse "não vale a pena antecipar o que ela vai viver, ela vai descobrir tudo a seu tempo e vai ter de arranjar estratégias para se adaptar a tudo o que é novo". 

A minha filha está a crescer. E o meu coração ainda não está preparado para isso.

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Se vão em família, onde ficar bem alojado no Algarve.

Como já vos disse, nestas férias, escolhemos a região de Alvor para uns dias de descanso puro. Não nos arrependemos, porque tendo em conta a confusão típica desta região sul neste mês, Alvor revelou-se bem mais calmo do que outras zonas que visitamos. 
Ficamos hospedados no Alvor Baía Resort Hotel. Foi a opção certa para irmos com a nossa filha. Se estivessemos apenas os dois, poderíamos pensar noutras alternativas mas como íamos em família, este foi o local ideal para estes dias. 

Pontos positivos: 

  • O hotel tem um imenso espaço verde, com jardins enormes, onde os miúdos podem andar, correr, saltar, jogar futebol à vontade. 



  • Tem duas piscinas: uma para crianças e outra para adultos com cerca de 100 metros de comprimento. O hotel estava cheio mas as piscinas são bastante grandes e não dá aquela sensação de não haver espaço para crianças ou adultos. 
  • A existência de um parque infantil enorme foi a cereja no topo do bolo para a nossa filha. Ela adora este tipo de parques e houve tardes em que ela trocou a piscina pelo parque. Passou lá horas e horas. Tem vários escorregas, túneis, foi o local que mais a marcou. 


  • Os quartos são muito espaçosos. Cada um tem 2 televisões (o que é ótimo porque assim não tínhamos que levar com o Canal Panda a toda a hora e momento). Dispõe de um frigorífico, de micro ondas (ideal para aquecer o leite para a Pimentinha à noite e de manhã ao acordar), tem uma placa com dois discos (não usamos mas para quem tem filhos de alguns meses, que já comem sopa mas ainda não podem comer "sopa de hotel" é o ideal porque assim dá para confecionar a sopa).
  • No primeiro dia estranhámos mas depois percebemos a lógica: o hotel dispõe de dois restaurantes: "Blue" - o restaurante para adultos e o "Green" - restaurante para famílias com crianças. A comida para os adultos era igual num e noutro local. A diferença é que no Green encontrávamos uma secção de comida adequada aos mais novos: sopa passada e bem saborosa (lembro-me que a sopa do hotel onde o ano passado estivemos, na Madeira, era "demasiado apetitosa" e muito artificial) e a restante alimentação para eles não tinha grandes quantidades de sal. Além disso, e tendo em conta que o hotel tinha muitas crianças, quem ia numas férias a dois encontrava no "Blue" um ambiente mais calmo, não tendo que ouvir as birras e o barulho típico dos miúdos na hora das refeições. 

  • A praia de Alvor fica sensivelmente a 10 minutos deste hotel. Algo pacífico para se fazer de carro mas em todo o caso, o hotel dispunha de autocarros que levavam e traziam os hóspedes gratuitamente para as praias. Os vários horários de transporte estavam afixados na recepção e cada um escolhia o melhor horário para si. Optamos por este transporte porque a nossa filha acha um piadão a andar de autocarro e além disso, não tínhamos de nos preocupar com estacionamento. 



Pontos menos favoráveis: 
  • A equipa de animação do hotel era imensa mas parece-me que estavam mais interessados em animar os hóspedes estrangeiros do que os nacionais. Pareceu-me que o tipo de animação era mais direcionado aos ingleses, franceses e alemães e não tanto aos portugueses. 
  • Os funcionários presentes na zona das refeições (pequeno almoço, almoço e jantar) estavam frequentemente a conversar uns com os outros, em espírito de "amena cavaqueira".  Em contexto de trabalho, acho que é algo a evitar. Foram prestáveis e simpáticos mas parece-me que a conversa entre alguns deles dispersava-os das suas funções. Talvez o facto de a grande maioria dos funcionários destas zonas de refeições serem muito jovens (acredito que alguns fossem estagiários) explica o facto de ainda não terem a postura profissional mais adequada ao contexto. 
O balanço final é muito positivo, pelo facto da nossa filha ter adorado o espaço e isso não sentimos, por exemplo, o ano passado na Madeira: nós gostamos imenso do hotel onde estivemos no Funchal, mas não não era um hotel tão familiar e direcionado para crianças como este que encontramos em Alvor. Fica aqui a dica :)