quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Pesar os dois pratos da balança.

Quando escrevi o post sobre a situação dos recibos verdes em que me encontro desde que me licenciei, um dos comentários questionava se eu seria uma situação de falsos recibos verdes. Ou seja, no fundo um contrato de trabalho encoberto por recibos verdes. 
Sim, claro que sou. Eu e todas as minhas colegas que lá estamos. Todas a recibo verde. TODAS.
Por mim não trabalhava mais de dez horas por dia. 
Por mim não trabalhava ao sábado de manhã em explicações individuais a ganhar uma miséria quando praticamente todo o lucro vai para a minha patroa que ao sábado está em casa descansadinha. Na teoria eu sou patroa de mim mesma (a lógica dos recibos verdes é essa) mas na prática, eu sou patroa de nada. 
Por mim passava muito mais tempo com a minha filha, que bem merece.  
Por mim não fazia mil e uma tarefas que vão muito mais além do papel para o qual fui "contratada".
Por mim exigia um contrato de trabalho, com direito a subsídios, um horário decente de trabalho. 
Mas sei que no local onde estou e noutros locais semelhantes, do mesmo ramo, é tudo assim. Não há hipótese de um contrato. É um facto. Se isto é ilegal? Sim, há quem diga que sim. Mas os tempos atuais exigem que nos verguemos a quem tem trabalho para nos dar.  
Há dias em que penso em muita coisa, em que penso que há tanta coisa que não faz sentido, em que penso que preciso de mudar de vida. Mas depois penso no outro lado da balança. 
Mas um dia... um dia vai ser dia.

9 comentários:

Miss Purple disse...

Sim, tem calma que tudo vai melhorar !
É acreditar nisso..

VerdezOlhos disse...

Como eu te compreendo! Infelizmente tens toda a razão, apesar de termos condições da treta em muitos trabalhos, temos de nos sujeitar a quem nos dá o que fazer. Por mais injusto que seja, antes assim do que não ter como pagar as contas! Beijinhos e coragem!

Maria do Mundo disse...

Há tantas mas tantas situações idênticas. Aliás, é o que há mais por aí, contratos de trabalho encobertos sob recibos verdes. Percebo quem se sujeita, obviamente. Só penso que o Estado deveria ter uma forma mais eficaz de proteger os trabalhadores e não permitir certas coisas. Seja como for, pensa que as coisas melhoram sem nós estarmos à espera.

FME disse...

Eu compreendo-te. A mudança nunca é fácil, e quando o ramo também não é fácil e temos pessoas a contar connosco e a nossa subsistência, temos de engolir e vergar. Mas a vida dá muitaaaas voltas e é nisso que tens de te focar, o teu dia vai chegar :)

Moa disse...

Essa situação é uma merda.

Dora disse...

Eu própria trabalho numa empresa onde centenas de pessoas que trabalham para nós é a receibos verdes. Eu felizmente estou a contrato mas entendo perfeitamente essa precariedade.

ML disse...

Já fui uma menina de recibos verdes e sem bem o que é ser "patroa de nada". Uma treta é o que é!

Coquinhas disse...

Pois é, este assunto tem muito que se lhe diga :s

Eva Luna disse...

Hoje em dia parece que temos que nos sujeitar a tudo para ganhar uma (piiiiiiii!)