terça-feira, 19 de abril de 2016

Orçamento doméstico.

Por cá não nos podemos queixar, os dois ordenados que entram cá em casa permitem-nos pagar as contas, viver com frigorífico cheio e roupa lavada. E temos alguns pequenos luxos, não digo que não. Mas há dois meses que não conseguimos poupar quase nada. Este mês foi o imposto dos dois carros que temos (somando os dois valores nem dá para acreditar). E temos ajudado na família quem mais precisa. E ainda não pagamos IMI senão seria mais um pequeno estouro a acrescentar à lista.
Para o próximo mês temos uma comunhão, um carro que vai à inspeção mas primeiro tem de ir à oficina. Mas felizmente vamos gerindo tudo muito bem, podemos não poupar mas não vamos ao pé de meia. Sei que somos uns sortudos neste nosso Portugal. Sei que volta e meia dou por mim a queixar-me que não compro roupa para mim e que preciso de umas sapatilhas, mas é nestas alturas que sei que devo é estar caladinha e agradecer tudo o que tenho. 
Mas também é nestes momentos que penso como fazem as famílias que têm tudo contadinho e por circunstâncias da vida, surgem imprevistos. Há famílias que eu não sei como fazem para pagar todas as contas que têm. Há pessoas que devem contar os cêntimos para ir ao supermercado e deve ser triste.
Se o dinheiro cá em casa não estica (e felizmente temo-lo), imagino como será nas casas em que tudo está contado. 

p.s. Mas também sei que há pessoas que não conseguem gerir o orçamento doméstico, porque não sabem. Tentam mas acabam por não saber gerir prioridades. E acredito que estes miúdos de hoje em dia deviam, desde cedo, aprender a importância de se saber gerir o que se tem, seja muito ou pouco. 

2 comentários:

MariaXL disse...

A gestão de um orçamento não é fácil. No meu caso que sou família monoparental há mesmo que fazer um inventário de todas as despesas, definir montantes para gastar em diferentes áreas essenciais e evitar ao máximo sair desse plano. Os meus filhos têm o que se pode e conhecem a realidade, pois partilho com eles quais são as prioridades. Nenhum dos dois faz birras nem insiste quando querem qq coisa e lhes digo que não há capacidade financeira para tal. Assim vivo com as contas pagas e a consciência tranquila. Mas no é uma gestão fácil. ..

Minnie Me disse...

Muito bem já fazes tu :) isso de não mexer no pé de meia é meio caminho andado. Beijinho