quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Porque as coisas nem sempre são como nós queremos.

Falta precisamente um mês para a véspera de Natal. 
Chego a esta altura e todos os anos digo a mesma coisa: o tempo anda mais depressa que eu. 
Este ano, ainda não há perspectivas sobre como irá ser a noite do dia 24, mas temo que este ano seja talvez o que menos espírito natalício tenha.
Desde a morte da minha avó materna, que a família do lado da minha mãe se foi vendo cada vez menos. Desde essa altura, como eu costumo dizer, parece que nos encontramos nos casamentos e nos funerais. E isso deixa-me triste. Não somos uma família numerosa mas não percebo como é que os meus pais se foram desligando da restante família. E se eu posso ir contra esta maré? Humm... histórias muito complicadas se metem aqui no meio...
A ver vamos se a consoada de Natal vai ser a cinco. Eu, o Apimentado, a Pimentinha e os meus pais. Quero acreditar que não. Quero acreditar que mais gente se juntará à festividade. Quero acreditar que o Natal tenha o espírito de Natal.
Felizmente, do lado do meu marido, a coisa é bem melhor e bem mais familiar. Há ligações estreitas e mais uma vez, a família não é grande mas dá-se tudo bem e por incrível que pareça, é na família do meu marido que me sinto em família




6 comentários:

Gorduchita disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gorduchita disse...

O meu pai sempre esteve e está mais em família com a família da minha mãe que com a sua, por isso, o que escreves não me surpreende.
O afastamento das famílias é algo que tende a acontecer. A minha, do lado da minha mãe, tem-se mantido mais ou menos unida, mas não é como era quando eu era miúda. Acho isso natural... à medida que "os netos" vão crescendo e vão criando as suas próprias famílias, e se afastam até geograficamente, é normal que haja rituais que mudem.
Pode ser um pouco triste, mas é mesmo assim...

м♥ disse...

Os meus pais há anos que querem passar o Natal só nós os 4 (costumamos ir a casa da minha avó, somos 12 no total). Para mim não faz sentido nenhum! Enquanto a minha avó for viva, pelo menos, o Natal tem que ser passado em casa dela e com as restantes pessoas que se juntam sempre. 4 pessoas na mesa de natal é deprimente. Eu gosto de barulho, de muita gente, mesas cheias!

Moa disse...

nós somos tantos que este ano vamos ter mesmo de nos dividir... :(

Ana Raquel disse...

Entendo tão bem

Quando era pequena lembro-e dos natais na casa dos avós com os meus primos e tios. Agora vejo-os 2 ou 3x por ano (aos tios e primos).estou mais tempo com os meus tios que vivem em NY pois estou com eles quase todos os dias das 3 semanas de verão que cá passam do que c os outros. Ridículo

MSPE disse...

Nós seremos 11 este ano. Para mim o mais importante é passar com a minha irmã e os meus sobrinhos (sem contar com os de cá de casa claro!).