segunda-feira, 27 de março de 2017

Se fizermos dos alunos máquinas será que eles vão ser mais felizes e produtivos?

No meu tempo, os professores tinham coração. Costumo eu dizer por vezes.
Ok, estou a exagerar. 
Bem sei que hoje em dia, há profissionais excelentes na área da educação. Mas também há professores que deixam muito a desejar. 
O segundo período está a chegar ao fim. Os testes acumularam-se todos nestas semanas, os trabalhos e os tpc's que consomem a cabeça aos alunos e a quem os ajuda na sua realização também. 
E para ajudar à festa atualmente há as chamadas "questões de aula surpresa". 
E há professores que dão as tais questões de aula surpresa em semanas em que os miúdos já têm 3 ou 4 testes de outras disciplinas. 
Posto isto, por exemplo, eles estudam para os testes de Inglês, Português e História e voilá, os outros professores apresentam questão de aula surpresa a Matemática e Ciências. 
Estão à espera que eles tirem boa nota a tudo? 
Esperem sentados. Isto já para não falar nos alunos com dificuldades em acompanhar este ritmo alucinante de ensino que hoje em dia temos nas escolas.
E nós, que trabalhamos para os ajudar no estudo, não conseguimos ter tempo e braços para trabalhar tudo com eles. Os pais querem, mas num dia com 24 horas e quando se trabalha com miúdos e não com máquinas, às vezes, é difícil. 

Adenda a este post: hoje, dizia-me um aluno meu que ontem o pai chateou-se com ele ("o meu pai passou-se comigo" foram as exatas palavras do A.) porque o miúdo tirou Bom no teste de Matemática. O pai queria um Muito Bom no teste. Se alguém conhece uma fórmula mágica para criar seres de top inteligentes e emocionalmente equilibrados é favor partilhar.

6 comentários:

Gorduchita disse...

Mudanças no ensino precisam-se! Urgentemente!

A mamã vai casar disse...

A sociedade exige que as crianças sejam perfeitas em tudo, puras máquinas.
Temos que ter consciência que as crianças também precisam de brincar, de relaxar, não precisam de ser super dotadas em tudo.
Beijinho

AMOR XXS disse...

Pois, e eu só penso onde está o tempo para a brincadeira, para os pais e filhos estarem todos juntos em família, onde está o tempo para as crianças serem crianças? O meu ainda está longe de entrar para a escola mas eu já sinto pena dele! Acho um absurdo esta sobrecarga escolar. Coitados dos pais que não podem e/ou não sabem ajudar nos TPC'S.

Ellie disse...

Eu até tenho medo quando o M for para a escola. Por aquilo que vou vendo e ouvindo de colegas minhas com filhos mais velhos, acho tudo muito exagerado e vejo crianças frustradas sem tempo para serem crianças. Para já ele só vai para a pré, mas mesmo assim já tenho algum receio de como será a sua adaptação... Só espero que corra bem! :)

VerdezOlhos disse...

Realmente parecem querer fazer dos miúdos (e dos pais, por consequência) máquinas mas será que isso é eficaz, eficiente ou sequer saudável?

R.: Apesar de não ter ainda experiência própria, são sábios conselhos os de dar tempo ao tempo - é sempre um óptimo conselho. Obrigada pela partilha de experiência =)

Beijinhos

asminhasquixotadas disse...

Como professora, sou a primeira a defender o tempo livre dos alunos. Tempo para eles brincarem e escolherem o que querem fazer. Tempo em que é mesmo válido nem sequer fazer nada, babar no sofá a olhar para o tecto. Mas há duas grandes pedras no sapato: por um lado, os Programas são demasiado extensos para serem cumpridos sem o recurso a trabalhos de casa; por outro, muitos pais são avessos a dar este tal tempo livre aos filhos e, ainda que não haja tpc, enchem-lhes o horário com actividades extracurriculares que eles muitas vezes nem querem. Ao fim-de-semana imaginam actividades atrás de actividades e o tal tempo livre para a brincadeira e para o ócio vai-se. Este tempo é fundamental para as crianças e jovens, mas além de a escola estar com horários muito alargados (se assim não for, os pais também não sabem o que fazer aos filhos), parece que muita gente não concebe tempos livres para os mais novos e só querem saber de ocupar os minutos todos, de criar constante diversão para eles. Isto está a fazer estragos no desenvolvimento dos miúdos. Está a cansá-los. Se ouvissem o que eles tantas vezes desabafam com os docentes...