sábado, 16 de dezembro de 2017

Experimentei pela primeira vez o que é estar do lado do público, sem nervos e sem o peso de os ter de ensaiar.

Hoje foi a festa de Natal da minha filha. 
E eu conhecendo-a bem, não estranhei nada que ontem à noite já começasse a dizer que não queria ir à festa de Natal da escolinha. Choramingou e pensei imediatamente: "Amanhã vai ser bonito". Ela não gosta de ambientes muito confusos e hoje, mal acordou, o discurso foi o mesmo: "Não quero ir à festa hoje". 
Felizmente tenho uma sogra que é uma avó capaz de moldar a neta e de a levar com toda a calma do mundo e com as palavras e atitude certas. Lá fomos então para a festa de Natal, depois de almoço. 
Eu não estava mesmo a imaginar a minha filha a subir ao palco para cantar e dançar. Estava a imaginar cenário de choro intenso, baba e ranho. 
E... enganei-me! Percebi muito rapidamente que eu estava mais nervosa eu do que ela. E foi com um orgulho enorme que a vi na primeira festa a sério desta nova etapa da vida dela. Ali, em primeira fila, perante imensas pessoas, a dançar, a cantar. E a mim só me faltou a babete. Para babar muito. Ia quase jurar que a minha filha era, de todas as crianças, a mais bonita e a que dançou melhor. Mas isso é suspeito: a maternidade ensinou-me que aos nossos olhos, os nossos filhos são sempre os mais bonitos de todos. 





5 comentários:

ML disse...

É uma delicia vê-los em palco! O nosso coração transborda de felicidade!

Sofia disse...

Ainda não cheguei a essa parte, mas cá para mim vou chorar baba e ranho!

Gorduchita disse...

Ainda vou ver como corre a festa da minha filha. É só na sexta! Não tenho grandes expectativas! :D

Ellie disse...

Já o meu, assim que viu tanta gente, resolveu virar estátua... hehehehe ;)

Mamã Algodão Doce disse...

Gosto tanto de assistir às festinhas do meu :)