quinta-feira, 15 de março de 2018

Os bons alunos de hoje sê-lo-ão mesmo?

Vi esta imagem numa rede social e foi impossível não sorrir. 


Trabalhando com crianças em idade escolar há quase 10 anos, posso afirmar que hoje em dia, na grande maioria das escolas, é isto que se valoriza: o aluno que "despeja" a matéria cá para fora, a qual foi coladinha aos neurónios à base da repetição e memorização, mas que em termos práticos, se dermos a volta à matéria, já fica perdido no meio da teoria, que sabe mas que não percebe totalmente. 

Preocupa-me a escola que temos hoje em dia. 
Porque não sei se os modelos educativos alternativos, algum dia, vão conseguir impor-se. Tenho alunos de 4's e 5's no meu grupo de 5º ano que eu não considero como alunos inteligentes. São fruto de boa memória, de testes realizados iguais aos dos anos anteriores, mas em termos práticos, faltam-lhe capacidades que não são tidas em conta aquando da avaliação curricular. 

Para mim, um aluno de 4 e 5 também é aquele que ajuda o outro quando ele precisa, que não compete por ser o melhor, que sabe estar e ser pessoa. Que é organizado e responsável. Ai, a responsabilidade... Essa característica que hoje falha tanto! Hoje em dia, (alguns) pais continuam a fazer a mochila dos filhos no 5º ano. Hoje em dia, (alguns) pais preocupam-se também com as notas dos outros meninos da turma, para além do(a) filho(a), na ânsia de "o meu filho é que é mesmo o melhor!". Hoje em dia, (alguns) pais preocupam-se com o 3 a Educação Física que vai "manchar" as restantes notas do filho. Mas não se preocupam em criar jovens responsáveis, educados e solidários. 

Daqui a 2 anos e qualquer coisa, a minha filha vai entrar no primeiro ano de escolaridade, dei por mim a pensar um dia destes. Ui, o tempo voa. E não tarda nada, estou no hipermercado a comprar cadernos, folhas, marcadores, lápis e réguas. E acho que lá no fundo, no fundo, isso assusta-me! 






5 comentários:

Gorduchita disse...

E quando penso nisso, que faltam apenas esses dois anos e pouco, também no meu caso, peço apenas para continuar a ter a disponibilidade financeira de a manter na escola onde está, onde o ensino já é mais transversal, mais integral, menos empilhar matéria e mais compreender o mundo!

Um Mundo a Três disse...

Esses 4's e 5's são os futuros médicos que podem ter tido ótimas notas para entrar em medicina, mas faltam-lhes algo tão importante como coração e respeito pelo próximo. O nosso ensino tem lacunas muito graves.

Por detrás das palavras disse...

Estando eu no mesmo contexto profissional não podia estar mais de acordo. Há coisas que me assustam: a falta de curiosidade saudável em descobrir mais sobre as temáticas (por exemplo, tenho duas miúdas do 9 ano que estão a começar com a temática da 2ª Guerra Mundial, enviei-lhes um documentário e nem se quer lhe pegaram) e, tal como referiste, a falta de valores morais. É tudo pelo imediato, a necessidade de mostrarem tudo a todos e decorar apenas o essencial. Já para não falar nos planos curriculares do ensino primário. São vergonhosos e não respeitam o desenvolvimento cognitivo das crianças. A escolha está a matar a curiosidade, a integridade e o espírito crítico às nossas crianças. Cada vez mais procuro informação sobre escolar alternativas (do género Escola da Ponte). Não tenho filhos, mas se os tiver tenho medo da escola que vão encontrar.
Mas acho que os pais são outro grande problema. Para eles, o que importa, são mesmo os resultados para, tal como escreves, fazer as malditas comparações e falarem nos quadros de mérito.

nat. disse...

Eu já fui "apanhada pela bola de neve"... e o primeiro ano para a mais velha está a ser este ano...
Não concordo com muita coisa do sistema de ensino... Não me parece bem que se corte com a curiosidade para ter meros "papagaios"...
Às vezes não sei se hei-se incentivar a "rebeldia" da pequena... ou se a "castre" também, para não ser doloroso...
mas sei que a incentivo a fazer o máximo do que quer, sem "passar por cima de ninguém" e sem quebrar todas as regras...
Não é fácil ser pai/mãe... e quando se pensa um bocadinho da (aparente) maioria... E quando se verbaliza essa diferença... piora...
Beijinhos, boa semana!

ML disse...

É urgente mudar a nossa escola. Urgente! É urgente trabalhar as competências que devem ser associadas a um aluno do séc. XXI: colaboração, criatividade, espírito critico, e comunicação! É urgente parar de centrar todo o processo de ensino-aprendizagem no professor e deixar de olhar para os alunos apenas como receptores de matérias. O meu pequeno vai para o 1.º ciclo para o ano... e eu tenho me-do!