quinta-feira, 29 de março de 2018

Presentes totalmente dispensáveis para recém nascidos

Ouro, minha gente. 
A meu ver, dar pulseirinhas em ouro com plaquinhas com o nome do baby é coisa para me deixar com aquele sorriso amarelo, porque há tanta coisinha gira para se oferecer a um bebé acabado de nascer, que quando alguém oferece isso aos meus filhos, eu só posso mesmo fazer aquele sorriso mal disfarçado de desilusão. 



Com a S. não tive como evitar. 
Os avós e bisavós quiseram dar pulseiras em ouro e eu (contra a minha vontade, mas Apimentado achou que seria deselegante da minha parte expressar tal opinião) aceitei como se fosse a coisa mais gira do mundo. Não sei bem como é por aí, caras leitoras, mas por estes lados, que são meios ainda pequenos, dar estas coisas ainda está muito enraizado nas mentes mais velhas. 


Oh para quê roupa e brinquedos?? Isso não faz falta nenhuma! O importante mesmo é que tenha pulserinhas em ouro 
(que até agora a minha S. nunca usou e se sair à mãe é quanto baste). 


Com o J. ainda não sei bem como vai ser, mas se avós deram à S. também vão querer dar ao irmão...


Pois bem, vai-se guardar e eles que façam o que quiserem com 
as pulseirinhas quando forem mais velhos. 




p.s. Nestas coisas, eu bem gostava de ser como o homem cá de casa. Diz ele que as pessoas são diferentes e dão valores diferentes às coisas. Por exemplo, a minha cunhada deu-me uma bolsinha toda catita para pôr a primeira roupa do baby. Mais uma vez, é daquelas coisas que acho totalmente desnecessárias. Não dou valor nenhum e usando o meu lado mais simpático, tentei dizer que não valia a pena ela estar a gastar dinheiro naquilo (na altura em que ela falou comigo ainda não tinha comprado). O homem piscou-me o olho e lá disse "Oh, mas até é giro para se guardar a primeira roupa do J." 
É???? 
Diz ele que eu posso ferir a sensibilidade das pessoas ao fazer estas "recusas". Pois... mas ninguém pensa na minha sensibilidade na hora de me invadir a casa com visitas, certo? 
[desculpem lá as minhas hormonas...]

13 comentários:

J* disse...

Mãe é mãe e sabe aquilo que lhe faz falta e o que vai dar mais uso, por isso sinceramente acho que mãe pode tudo! Inclusive recusar ofertas.
As pessoas se querem dar (com vontade) então devem ter em consideração aquilo que a mãe acha necessário para o bebé. Pelo menos eu quando dou alguma prenda tento saber junto dos pais o que lhes faz falta, assim sei que estou a contribuir para algo que precisam mesmo. E ouro é um redondo não!
https://jusajublog.blogspot.pt/

Emma disse...

Por falar nisso, ainda agora há bastante pouco tempo que vendi essas pulseirinhas todas de ouro que me deram quando era bebé. Lá está, não servem para rigorosamente nada e como recordações também não fazem lá muito bom trabalho, porque há anos que estava tudo fechado no guarda jóias. Agarrei em tudo e fui vender. Só não vendi uma que a minha avó me tinha dado, porque a minha mãe quis ficar com ela, como recordação da mãe dela. A verdade é que levei uma quantidade pequenina de ouro que fazia uma pequena bolinha na palma da minha mão e fiquei toda contente ao sair da ourivesaria com 300€... afinal sempre serviu para alguma coisa xD

Gorduchita disse...

Tive sorte que só recebemos uma ou duas coisitas em ouro para a S... nem sei onde andam, para veres o valor que lhes dei!
Se as pessoas oferecem antes de falar connosco, bem, há que fazer um sorriso e agradecer. Mas se falam connosco antes de comprar, diria eu que é para saberem a nossa opinião sobre o tema e aí, digo o que penso.

Olívia Muniz disse...

Acho que é sempre preferível perguntar o que se quer, quando é para oferecer algo. Quando às pulseiras de ouro, podes sempre vender e comprar algo que te faça mais falta.
Um beijinho grande*
Vinte e Muitos

Por detrás das palavras disse...

Por aqui também é muito costume oferecer ouro aos bebés. Tenho algumas pulseiras, fios, anéis e brincos que me foram oferecendo. Os brincos, as pulseiras e fios ainda vou usando em alguma ocasião mais especial, agora os anéis não.
Quando há bebés também gosto de oferecer algo que possa fazer falta, mas às vezes é difícil saber. Como gosto muito de bordar, compro uma fralda e uma babete, bordo e ofereço, mas tenho sempre receio de não ir de encontro àquilo que os pais querem. Por isso, costumo sempre juntar um brinquedo ou cremes para o bebé :).
Felicidades para vocês

Ellie disse...

Pensa que ouro tem sempre algum valor. ;) Mas, por acaso, também moro num meio pequeno e o hábito é oferecer dinheiro. Não tive essa sorte... Entre coisas giras e que deram imenso jeito, quando o M nasceu recebi muita coisa inútil. A roupa que ofereceram quando lhe servisse seria verão e aquilo era de inverno. Ou então quando vieram visitá-lo ao meio ano e o presente era dos 0 aos 3 meses... lol Agora dá vontade de rir, mas na altura fiquei um pouco incomodada...

Felicidades para vocês! :)

Coquinhas disse...

Nisso sou como o teu marido eheh

Sonhadora disse...

Contabilizo apenas um caso desses. Agradeci o fio em ouro com medalha mas será algo que vai ficar guardado durante muitos e muitos anos. Eu recebia muita coisa em ouro dos meus padrinhos e pouco uso lhes dei.
Mas ele já recebeu, por exemplo, molduras e caixas em prata e acho mais graça. As pessoas mais velhas gostam desse tipo de presente e neste caso até fica mimoso na decoração de quarto de bebé.

EMLA disse...

Quando o meu primeiro filho nasceu a avó paterna ainda teve a ideia peregrina de oferecer um fio de ouro, mas eu não tive papas na língua e disse-lhe que agradecia a intenção, mas já que estava disposta a gastar tanto dinheiro, que o gastasse com coisas que realmente o bebé viesse a precisar pk eu jamais lhe iria poro fio, uma vez que acho (e isto é uma opinião pessoal) que os bebés não são árvores de Natal.
Houve inclusive quem lhe oferecesse essas ditas pulseiras, que eu quando abri agradeci imenso e expliquei logo que não se ofendessem pk eu iria guardar, mas nunca usar no bebé.
Quando nasceu a minha filha, felizmente já ninguém teve essa ideia peregrina e posso dizer que quando me perguntaram o que poderiam oferecer à criança eu disse que me oferecessem produtos de higiene (São caros e se ficassem em stock também não se iriam estragar).

Eva Luna disse...

Sou madrinha de um bebé e nunca me ocorreu semelhante ideia, acho mal gasto e um bebé precisa tantas outras coisas mais úteis, mais isto sou eu...

Maria do Mundo disse...

WEssa bolsinha, por exemplo, eu gostaria. Eu comprei uma toda xpto para cada uma das minhas filhas. O ouro, sinceramente, dispenso. Eu costumo perguntar aos papás por quais produtos de higiene optaram e é isso que ofereço. Quando as Minis nasceram, agradeci imenso a quem me deu coisas DAveia e da Uriage,

м♥ disse...

Também recebi ouro em bebé e nas comunhões. Estão lá as peças guardadas na casa dos meus pais, sem uso algum, claro. Aqui na terrinha é muito comum, embora cada vez menos porque também já ninguém tem assim dinheiro para gastar em ouro (digo eu).

Nunca ofereceria uma coisa dessas (acho parolo!) e era menina para dizer, na lata, que não me oferecessem isso aos filhos que pretendo ter. Acho mesmo parolo além de inútil. Nunca iria colocar ouro nos meus filhos bebés! Ainda se fossem uns brincos de outro para uma menina, vá lá, agora pulseiras e fios enormes, nope. Também não gosto daqueles porta retratos, escovas, e quinquilharias várias banhadas a prata. Acho foleiro, não ficam bem em lado nenhum e custam um balúrdio. Preferia que me oferecessem fraldas! Aliás, é o que faço sempre que vou visitar um bebé. Normalmente já dei alguma coisa (roupa, principalmente) antes do bebé nascer e quando vou visitar levo fraldas. Os pais adoram e eu sinto que é muito mais útil do que dar uma coisa qualquer que pode não ser do gosto da pessoa, não servir ou acabar guardado por algum motivo.

Magda disse...

Depois de dois filhos aprendi que ninguém nos ouve. Até quando perguntam o que precisamos depois acabam por dar aquilo que mais gostam. Regra geral acabo por dar a outra pessoa. Sem culpas!