segunda-feira, 9 de dezembro de 2019

Não se pode ter o melhor dos dois mundos, como se costuma dizer.

Quando mudei de trabalho, há quase um ano e meio, o grande objetivo era trabalhar em algo que me permitisse desligar o botão quando saísse de lá. Que me permitisse ter um ordenado ao final do mês mas acima de tudo, que não me desse cabo da cabeça, porque para isso bastaria pensar nos últimos 10 anos de trabalho.

E o objetivo parece ter sido atingido. Um dia ou outro que a minha cabeça veio para casa em modo F&%$# mas na grande generalidade dos dias, é tranquilo.

Mas nem tudo era maravilhoso - manhãs livres e tardes a trabalhar até às 20h, sair, ir buscar os miúdos à sogra, chegar a casa quase às 21h, tratar de banhos, jantar, arrumar a cozinha e brincar. E geralmente eram quase 23h e os miúdos ainda acordados.

Por um lado, o J. estando comigo de manhã, sentia que o estava a acompanhar como nunca fiz com a minha filha mais velha. Mas como a S. ia para a escolinha logo de manhã, estava comigo apenas um bocadinho à noite, após banhos, jantares e louça lavada. E não nos pareceu o melhor deixá-la em casa de manhã comigo porque para o ano, vai para o primeiro ano escolar e este ano, sendo finalista da pré, era importante manter as rotinas e horários da escolinha. 
Se de Verão, a coisa ainda foi correndo, quando veio a mudança de hora, a verdade é que eu sentia que chegava a casa tardíssimo. 

Quando soube que havia uma colega que tinha saído de uma das lojas que não a mesma onde eu estava, resolvi falar com a patroa para lhe propor que me tentasse pôr no horário das manhãs (8h às 14h). A questão é que a outra rapariga que lá permaneceu nesse estabelecimento também queria o mesmo horário. Quem não gostaria de sair às 14h do trabalho? 
Resultado: passei para essa loja com horário intercalado com a outra rapariga. Uma semana eu faço o horário das manhãs e ela a tarde, na semana seguinte faço o horário da tarde (14h-20h) e ela a manhã.

Sem dúvida que haver duas semanas no mês a sair às 14h é ouro sobre azul. Mas como em tudo na vida, nem tudo é perfeito: a rapariga com quem estou a trabalhar mais directamente é intragável. 
Arrogante na forma de falar. 
Aquilo a que eu chamo de verdadeira "broeira" de nariz empinado. 
O oposto das pessoas com quem estou habituada a lidar. 
Faz-me confusão pessoas assim, mas elas existem e agora tenho de lidar diariamente com uma dessas pessoas. Até ver, tenho optado por ignorar certas situações, acho que estou num ponto da minha vida em que prefiro ignorar determinados tons de voz a ter que me chatear e perder energias com isso. 
Estou numa fase da minha vida em que prefiro concentrar-me nos pontos positivos de agora estar ali a trabalhar do que em tudo o resto. Já sei que vai haver dias em que talvez esta filosofia toda positiva vai ser esquecida e talvez me vá saltar a tampa mas de momento, vamos manter-nos zen, sim? 

4 comentários:

Os meus momentos favoritos disse...

Ás vezes é dificil manter a calma, mas tem que ser.
Beijinhos boa semana.

Coquinhas disse...

Força nisso miúda. Foco nas coisas positivas :)

RosaLimão disse...

Oh Deus, como entendo.
O meu contrato terminou na ultima empresa em que trabalhei e não renovei precisamente pela carga horária extrema e pesada, e ter de lidar com situações difíceis e calhaus com dois olhos quase que diariamente.

Surgiu o convite para trabalhar com uma pessoa familiar que abriu uma PME há uns anos e precisava de mais alguém para o escritório. Pensei... trabalhar com família? não sei se quero. Mas arrisquei.

Inicialmente, foi tudo sobre rodas, a pessoa também a mostrar que não era a típica tirana, nova-rica que acha que tem ali uma mina de ouro...

Agora se eu contasse os sapos que já engoli ao fim de uns meses, porque a fachada não dura muito tempo e se eu dissesse que ontem me saltou a tampa e discuti via messenger com a pessoa porque nem em CUBA de férias, com o rabo ao sol está bem e teve de implicar comigo porque pela primeira vez na vida abri o escritório 8 min. mais tarde do que era suposto... ERA DE GRITOS, não era?

Nem a pagar quase 5€ por min. de roaming e com o mínimo acesso á internet a dita sossega. Nunca tive um horário tão bom, mas.... nunca me senti tão vigiada e presa. É como foi dito, não se pode ter tudo.

Conselho/Mantra para nós a duas: Respira e não pira.
ahaha

Boa Semana.
Rosa Limão |
Lemon Rose

Green disse...

Essas situações nunca são fáceis, é facto, mas acho que fazes bem em ignorar a situação, ou pelo menos, tentar.